O CAMINHO DAS PEDRAS: A VERDADEIRA FELICIDADE

Sou empirista, aprendo pela experiência. Já faz alguns anos que estou buscando o entendimento pelo autoconhecimento, compreender a existência, entender a vida. Aprendi, por exemplo, que o saber adquirido através do processo de contemplação desde os pequenos fenômenos, eventos do dia-a-dia, é mais plausível. Percebi uma constante na vida da maioria dos mortais, que é o desejo de ser feliz.  Parece se tratar de uma espécie de ideal humano, como se fosse a busca do próprio ‘graal’, a sua  pedra filosofal.

Contudo, com raras exceções, ouço pessoas e seus relatos sobre a felicidade não me parecem originais, são modelos, convenções de realizações pessoais. Constatei, que para uma grande parcela das pessoas observados, as suas versões de felicidade, se resumem em: conseguir a posição social x, manter relacionamento com uma pessoa que se comporte da maneira y, ter a posse de bens j, etc.

Fato é que, tal modelo de ‘realização’ não é garantia de felicidade verdadeira, “ou não”, parafraseando Caetano. 

O ponto central para compreender a felicidade verdadeira passa por dois requisitos primordiais: 1) a qualidade da felicidade; 2) o seu grau de entendimento. Porque, a experiência dessa boa sensação que experimentamos, poderá variar a depender sempre do grau de entendimento de cada um, ou seja, da sua compreensão do que seja a existência, a vida.

Se para alguns de nós, que percebem apenas a vida elementar, como um ter —, qualquer conquista como a posse de bem ou posição social mais elevada, estes, pensam ser felicidade. Contudo, essa visão é simplista, típica daquelas pessoas que formam a base da pirâmide do entendimento: os indivíduos que só querem muito do mesmo, daquilo que é elementar: (sexo, abrigo, alimento, bens, etc.). Para estes, a sensação de bem-estar se esvazia tão breve quando começa, e, necessitam continuamente ainda mais do mesmo, para experimentar aquela sensação de contentamento novamente. Portanto, o seu contentamento não passa de uma espécie de droga, de vício.

Para outros, no entanto, que compreendem a existência e conhecem a si mesmos, continuam o seu dia-a-dia com serenidade. Porque, sabem que situações desagraveis e/ou condições limitantes podem sobrevir a qualquer momento, mas, apesar das dificuldades, existirão os momentos de contentamento. Portanto, ao seu entendimento se revelam a verdadeira felicidade: que está nos pequenos eventos da vida e que ocorrem frequentemente.

Agora, sendo mais enfático, acredito que qualquer dos leitores poderia até fazer uma lista de pessoas que conhece e, que, tem muito mais do mesmo: (são ricas, famosas, bem-sucedidas), quantos dessas podem afirmar ser uma pessoa feliz? —, eis, portanto, o (xis) da questão! — A chamada felicidade ‘ala-carte’, não é a felicidade a qual me refiro.

Nesta reflexão, se preferirem façam uma pesquisa simples: perguntem para pessoas com muito do mesmo: (os ricos), sobre a felicidade. Notem, como algumas pessoas descrevem e/ou demonstram um padrão de ‘felicidade’.  É, quase certo, que muitas dirão que ainda desejam muito mais do que possuem, para se sentirem felizes.

Fazer o que todo mundo faz, é modismo.  E, como sabemos, a moda nunca foi boa conselheira, sobremaneira, quando se trata de compreender a felicidade. Tem aquela expressão clássica do Nélson Rodrigues: “Toda a unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”

Por fim, a felicidade pode ser bem subjetiva e alguns podem até advogar neste sentido, mas, a felicidade verdadeira certamente só é acessível para aqueles (as) que despertaram para a compreensão da existência, para o sentido da vida. Se a nossa vida fosse como uma árvore frutífera, o fruto seria a maneira pela qual nos revelamos para o mundo e, o sabor da fruta o que a natureza espera de nós: a doçura como a verdadeira felicidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.